Design e Acessibilidade: criando produtos acessíveis desde o início #1

No items found.
No items found.
12/2/2020
Lucas Xavier
Lucas Xavier
UX Designer

Além de cozinhar e mimar minha gata, adoro estudar sobre acessibilidade e entrevistar pessoas

Está sem tempo para ler? Aperte o play para escutar o artigo.

Este é o primeiro artigo da nossa série sobre experiência do usuário e acessibilidade.

Quando se é designer de experiência do usuário (UX Designer), o critério básico para início de um novo trabalho é sempre priorizar o usuário, isso não é segredo para ninguém. Ainda na parte conceitual de qualquer produto digital, somos guiados a focar no público médio, aquele formado pela maioria dos usuários para a qual é destinada a principal função de um produto. 

Desde a tampa do pote de geleia, feita sob medida por alguém que pesquisou o tamanho médio das mãos das pessoas para que pudéssemos segurar e abrir a tampa confortavelmente, até a altura da bancada da sua pia de cozinha, na qual os mais altos enfrentam dificuldades diárias para lavar uma simples louça, alguém de ergonomia foi lá e pesquisou a respeito dos usuários.

Mas bem, a vida é mais fácil se você está na média, mas se você é muito maior que a média vai ter dores constantes nas costas na hora de lavar louças.

Seguindo por esse pensamento, um público que é constantemente esquecido (ou até ignorado) e não está na média são as pessoas com necessidades especiais, ou desabilitadas. 

Enxergar esse público é uma dificuldade para mim e para muitos outros que fazem parte “da média”. Tenho tentado seguir alguns processos ao começar ou entrar em um projeto, o que tem me ajudado a pensar em públicos que não são contemplados pela maioria. 

E é para ajudar todos a entenderem o universo da acessibilidade do ponto de vista do design que vou escrever uma série de artigos por aqui sobre o tema.

Design para Todos

Começar a falar de acessibilidade é entender um de seus princípios: desenhar para todos. 

O que isso quer dizer na prática?

Quer dizer que você não pode pensar que vai fazer seu projeto, e no seu fluxo de trabalho colocar uma etapa para “implementação de acessibilidade”. 

Por mais que essa seja uma realidade comum em muitas empresas e clientes, fazer dessa forma torna o processo ineficiente e passível de cometer erros, como por exemplo, fazer nomes de botões diferentes para o leitor de tela (tecnologia comumente usada por usuários com deficiência visual) e para o que o usuário está visualizando na tela, gerando assim, duas soluções apartadas.

Ou em outro exemplo, se você projeta uma tela que vai ser implementada em HTML, e você precisa que o programador crie um tratamento diferente para o código, para que a acessibilidade funcione, este não é o jeito ideal. 

Isso falando somente em termos de entregáveis. Quando estamos na descoberta do produto, também é importante entrevistar e conhecer usuários desabilitados para um maior entendimento do processo. Sim, eles tentam usar desde a conta do banco e até o Instagram!

Design e Acessibilidade: princípios básicos para ter em mente


Tenha em mente que o princípio máximo da acessibilidade é desenhar para todos. Se você tem um botão que precisa ser lido de forma diferente pelo leitor, o ideal é que você já coloque o título dele exatamente da mesma forma que o leitor leria.

Ou se seu botão é apenas um ícone gráfico, seria legal que um texto fosse colocado junto ao ícone, assim este ícone funcionaria para pessoas com desabilidades e para pessoas com todos os sentidos funcionais. Falaremos com mais profundidade sobre isso no próximo artigo.

Mas já coloque um lacinho em seu dedo para lembrar que acessibilidade é desenhar para todos. Quando você lembra da audiência da acessibilidade e com necessidades especiais, você já está atendendo os seus usuários regulares, sem distinção. E é isso que queremos, os PCDs não querem distinção. :D

Espero ter você por aqui aprendendo e debatendo sobre acessibilidade. Dúvidas ou sugestões de como podemos evoluir e continuar esse papo? Compartilha com a gente nos comentários!

Vagas acessíveis?

Temos! Reforçamos diariamente que todas as nossas vagas são abertas a qualquer pessoa, independente de cor, gênero, orientação sexual, identidade de gênero e/ou deficiências. Veja todas aqui.

O que você achou deste conteúdo?
Quer receber nossos conteúdos?
Seu cadastro foi efetuado com sucesso! Enviaremos as novidades no seu email.
Oops! Something went wrong while submitting the form.