7 dicas para uma palestra de tecnologia que o público goste

Neste artigo você vai ver:

Quem nunca sentiu aquele frio na barriga ao pensar em se apresentar em público? Você deve se perguntar como driblar esse frio na barriga por vontade própria e começar a entender como fazer uma palestra de tecnologia em eventos que temos por aí no mundão.

Por isso, resolvi criar este artigo para dar aquele empurrãozinho para você brilhar nos palcos na vida compartilhando seus conhecimentos. Eu sei, com certeza, que você manja muito e poderia ensinar para muitas outras pessoas!

1 Ensine e aprenda

Nem sempre fui desse pensamento, mas desde que comecei a participar de eventos de tecnologia aprendi que quanto mais a gente ensina, mais a gente aprende! E, acredite, pode parecer meio doido, mas a ideia é excelente e pode ajudar muito a aprendermos cada vez mais.

Levando essa ideia em prática, submeti muitas palestras, levei muitos nãos e recebi muitos sins também. Todas as respostas positivas me levaram a desafios cada vez mais entusiasmantes e a sempre aprender algo novo.

Por isso, apoio muito todas as pessoas que têm vontade de palestrar seus conteúdos, indiferente de nível técnico ou do tipo do assunto, seja mais soft do que hard skill, só vamos!

Será que devo palestrar mesmo?

Para essa dúvida, sempre lembro dessa frase, que levo comigo como lema de vida, que é do nosso querido patrono da educação no Brasil, Paulo Freire: 

“Não existe saber mais ou saber menos: há saberes diferentes”. 

Em outras palavras, todo mundo tem algo a aprender, assim como tem algo a ensinar. Então não pense que aquilo que você sabe não seja relevante, é relevante, sim, e vai ajudar alguma pessoa que está ali assistindo seu conteúdo! 

Assim como sempre teremos algo a aprender, não é porque estamos ali palestrando e compartilhando um conteúdo que, no final, quando aparecer uma pergunta ou outra, não possa surgir algo que a gente possa aprender ou pelo menos já deixar aquela questão mapeada para que possamos aprender também.

2 Qual conteúdo submeter

Pense no tema que tenha relação com o evento, a comunidade ou a trilha que você pretende submeter. Vou deixar alguns exemplos para você ter uma ideia:

Comunidade

Em caso de comunidade, vou usar o Angular SP como exemplo. Pense em algo que você tenha atuado com esse framework ou em algo que você aprendeu com ele e que realmente foi muito bacana. Mande algo nesse sentido, como um case de sucesso ou até mesmo dicas de como usar essa prática que você descobriu e afins.

Evento

Já em evento, o exemplo é o WordCamp, que é um evento voltado para pessoas que usam ou que são do universo do WordPress. 

Acredito que, neste caso, seja o mesmo da comunidade, sendo assim, pense em cases de sucesso que o uso do WordPress foi essencial ou até frameworks que ajudam as pessoas que usam a plataforma.

Trilhas

Em caso de trilhas, vou usar o The Developer’s Conference (TDC), que é uma conferência de tecnologia e tem várias trilhas de diversos temas. Neste caso, pense em algo que você queira compartilhar e veja qual trilha dá match

Por exemplo, se você quer compartilhar algo mais soft skill sobre como melhorar sua carreira ou como ser um profissional melhor, pense na trilha de Carreira e Mentoria; caso você queira falar algo mais voltado ao mundo Agile, pense na trilha de Ágil e Metodologias; se quer compartilhar boas práticas em desenvolvimento, pense na trilha de Design de Código e XP e assim por diante.

3 Pontos principais da palestra

Acredito que uma palestra deve ser quase um pitch. Para quem não sabe, pitch é uma apresentação curta, que o pessoal de startup costuma fazer para pessoas investidoras-anjo, com cerca de 3 a 5 minutos para: 

  • apresentar a dor; 
  • a solução dessa dor;
  • qual será o ganho dessa solução. 

Parece um tempo muito curto, mas, acredite, existem modalidades que são bem menores, como o elevator pitch que é praticamente um minuto!

Por outro lado, em palestras, o tempo costuma ser de 30 minutos até 1 hora, ou seja, não precisa se preocupar com pouco tempo, mas também vale seguir aquela ideia de “contar uma história”, que é basicamente ter um enredo e criar uma narrativa para explicar esse conteúdo.

O que é storytelling?

Aproveitando que estamos falando sobre essa habilidade, vou explicar um pouco sobre o storytelling, que é um método para contar uma história. Este termo vem da palavra inglesa storyteller, que é a pessoa que conta histórias. 

O termo pode ser “novo”, mas não é de hoje que o ser humano usa esse formato para passar conteúdos. A ideia principal desse método é passar de forma clara uma história, usando texto ou algum recurso audiovisual, tendo em mente que você pode usar muitas ferramentas de narrativas para ajudar. 

Por exemplo, você deve definir se a história será contada em primeira ou terceira pessoa, estudar como seu conteúdo sairá do ponto A até o ponto B de forma orgânica e fluida, levando assim, quem está escutando ou lendo sua história junto com o desenrolar do enredo. 

O público precisa se envolver com você nessa jornada. Em algum momento da vida, você já contou uma história ou já ouviu alguém contar, certo? Inspire-se nesses momentos!

Pontos essenciais para sua palestra

Agora, abra o bloco de notas e preste atenção, trouxe os principais pontos que você pode criar e treinar para arrasar na talk. Seguindo a ideia do storytelling, vamos ao começo:

Apresentação

Você pode se apresentar, citar sua experiência com o tema que está abordando, trazendo uma conexão entre você e sua palestra. Assim o público sentirá mais confiança, o que transmitirá mais credibilidade para a sua apresentação.

Problema 

Comece contando o problema! Sim, é isso mesmo que você leu. Vamos pensar que todo mundo quer resolver algum problema e que o que você vai compartilhar, de certa forma, vai ajudar a solucionar o impasse de alguém. Então bora contar qual o problema que você enfrentou.

Reflexões

Conte sobre suas reflexões que te levaram a solução. Neste ponto, vale falar sobre conversas que você teve, alinhamentos, insights, literatura e tudo o que te levou até a resolução.

Solução

Fale sobre a saída encontrada. Aqui é onde você usará os porquês dessa solução, o quanto foi impactante e trouxe mais valor ou mais velocidade, contando até mesmo algo que fez diferença no todo.

Espaço para dúvidas

E sempre deixe um tempo para tirar dúvidas. Afinal, muitas pessoas não vão te interromper durante sua palestra, mas, com certeza, vão querer perguntar alguma coisa. 

E, se não quiserem, não se sinta mal, ok? Algumas pessoas sentem vergonha de levantar a mão ou mandar no chat, está tudo bem também. Não se cobre ou ache que sua palestra tem algo de errado por não ter tido perguntas.

Bom, agora que já sabemos alguns pontos da palestra, que tal ir pro próximo passo que é submeter a sua palestra?

4 Como submeter uma palestra

A submissão de uma palestra ou talk é um passo muito importante, pois sua palestra vai passar por uma avaliação para confirmar se tem match com o evento, comunidade ou trilha.  

Depois disso, assim como tudo na vida, teremos duas possíveis respostas: sim ou não. Indiferente ao resultado, o pessoal da organização costuma dar um feedback. 

E, quando vier a confirmação, já é possível começar a fazer sua apresentação, seja por slides ou montar o código para fazer um live coding. Tudo vai depender do que você colocou no resumo da palestra.

Porém há pessoas que fazem diferente. Primeiro montam sua palestra e depois submetem ela no máximo de lugares possíveis. Assim, conforme as palestras forem sendo ministradas, vão refinando a apresentação e o roteiro.

Informações solicitadas

Normalmente, para submeter a palestra, o staff costuma pedir algumas informações, por exemplo:

  • Minibio: onde você vai contar quem é você, sua formação, atuação profissional e sobre a parte técnica que seja relevante para o tema da sua palestra. Pode ser escrita na 1ª ou na 3ª pessoa (Exemplo: “Karoline Suzuki é desenvolvedora front-end, com experiência de 2 anos em Angular” ou “Sou desenvolvedora front-end, trabalho com Angular há 2 anos…”. O bom é que uma boa minibio pode ser útil para outras palestras ou mesmo em outros lugares (tô olhando para você, resumo do LinkedIn).
  • Título da palestra: nesta parte, você pode colocar algo impactante, mas que tenha relação com sua talk, seguindo uma fórmula de Título = Problema + Ação + Algo a aprender. Exemplo: “Tornando seu código mais SOLID” , nesse exemplo, só pelo título conseguimos entender o problema (código sem seguir um padrão), a ação (tornar seu código melhor) e algo a aprender (princípios do SOLID).
  • Resumo da talk: o que você vai abordar nesse talk, sobre o que será essa palestra e como vai ser apresentado (por exemplo, se vai ser live coding ou apresentação de slides).

Em alguns casos, pode ser que o pessoal te peça o que te motivou a submeter esse tema. Muito raramente, o pessoal abre um espaço no formulário para que sejam adicionadas mais algumas razões para que aquela palestra seja escolhida, em resumo, será um lugar para você “vender” a sua palestra!

5 Montagem da apresentação

Montar a apresentação vai muito da sua preferência e do que vai ser compartilhado, afinal,  muitas pessoas quando vão falar de alguma linguagem, framework ou lib, fazem um live coding. Vale ressaltar que isso não é mandatório, você pode também tirar prints desses trechos do código e colocar nos slides.

Estrutura da apresentação perfeita

Temos muito a falar sobre slides e a estrutura da apresentação perfeita. Claro, varia com o gosto pessoal (como o uso de gifs), porém há alguns consensos quando falamos de apresentações, por exemplo, que muito texto acaba distraindo o público. O ideal é usar o slide como um material de apoio e não algo que vai ser lido na íntegra.

Vamos acompanhar dicas para montar uma apresentação perfeita:

  • Inclua um slide com os tópicos que estarão na apresentação no começo da palestra. Isso dá previsibilidade para as pessoas, o que pode ser bom para que elas assistam até o final. Outra vantagem é que isso ajuda pessoas neurodivergentes, como autistas.
  • Use palavras ou frases curtas, que sirvam de gatilhos mentais. Assim o público conseguirá focar mais em você e no que está falando.
  • Não use muitas cores, tente delimitar uma paleta de cores que faça sentido. 
  • Inclusive, há eventos que pedem para você usar o template dele de slides, então tenha uma apresentação que possa ser passada para outros modelos. Tenha atenção às comunicações com a organização.
  • Crie um esquema para contar história, tenha em mente que sua talk precisa ter começo, meio e fim.
  • Nos primeiros slides, coloque um que conte sobre quem é você, sua formação ou atuação, e sobre algo que te relacione ao tema da palestra. Também deixe um slide, pode ser até o último, com suas redes sociais, assim, caso alguém queira falar com você, já sabe onde te encontrar.
  • Cuidado ao introduzir “memes”, “gifs” ou qualquer elemento que, dependendo do ponto de vista, possa ser ofensivo! Vamos respeitar todas as pessoas!

6 Dicas para driblar o nervosismo

Relaxa, a graça de palestrar é essa mesma, de sentir esse frio na barriga até a hora da palestra e depois relaxar com a sensação de trabalho concluído. É isso mesmo, viu!

Acredite: até aquele pessoal do TED Talks sente esse medinho, é muito natural e humano sentir isso, o importante é não deixar essa sensação te bloquear na hora de palestrar. 

Existe alguma forma de trabalhar isso? 

Existe sim, você pode treinar apresentando sua talk a alguém de confiança; a algum par seu do trabalho ou estudo. Outra dica é tentar se gravar apresentando (Google Meet pode ajudar) para conferir se ficou bom ou o que pode ser ajustado.

Outra técnica muito usada é treinar sua palestra frente ao espelho, como se realmente estivesse apresentando para o público. Isso faz com que aquela timidez que temos seja trabalhada aos poucos, para que a gente não trave no dia. 

Tem também uma técnica que aprendi na época do teatro, que é fixar o olhar em um ponto do horizonte e olhar pra ele enquanto apresenta. Isso se olhar para outras pessoas é algo que te deixa apreensivo, ok? 

Existem muitas técnicas e muitos exercícios! Esses que citei são os mais comuns, mas se você pesquisar vai achar milhares de técnicas, o que vale é achar aquela que mais faz sentido para você.

Além disso, tem cursos de oratória e apresentações por aí. Vale pesquisar mais sobre isso se sente que precisa de mais apoio.

Dicas para eventos remotos

Eventos remotos também podem despertar nervosismo em quem apresenta uma talk, só de olhar um número alto de gente assistindo, pode começar a sentir os mesmos sintomas de uma palestra presencial.

Se liga nas dicas:

  • Treine bem antes da apresentação;
  • Deixe anotações nos slides, se caso você sentir que vai esquecer de algo;
  • Interaja com o público, assim você cria uma ponte e traz as pessoas para perto de você;
  • Procure ambientes claros, as pessoas querem te ver;
  • Deixe sempre uma fonte de água perto de você;
  • Tenha um plano B caso a internet fique instável;
  • Tente antever situações que atrapalhem sua palestra remota: crianças pequenas, pets, obras dos vizinhos…
  • Se caso não houver nenhuma pergunta, não se preocupe, está tudo bem! O importante é enfatizar que você estará disponível para tirar dúvidas e o pessoal pode te procurar nas suas redes sociais.
Gif que mostra uma menina de 2 anos entrando toda animada no escritório do pai enquanto ele dava uma entrevista para a BBC sobre um assunto político sério.
Crianças são imprevisíveis, não é mesmo? Lembre dessa história aqui.

7 Onde posso submeter uma palestra?

Você pode submeter sua palestra de tecnologia em vários lugares, como eu mencionei alguns tópicos acima. Busque por “Call for Papers” ou “Call for Speakers” nos sites de eventos que você tem interesse em participar.

A seguir vou deixar um compilado de sugestões para onde enviar:

Eventos e congressos de tecnologias

Eventos de comunidades de tecnologias

Meetup: é um site onde você pode encontrar diversas comunidades de tecnologia, cada uma focada em uma área específica. Alguns dos meus favoritos são:

  • Nerdzão/NerdGirls que é uma comunidade sobre temas de tecnologia no geral;
  • WoMakersCode que é uma comunidade focada em inclusão de mulheres na área de tecnologia;
  • AngularSP, focado em compartilhar conteúdo sobre esse framework;
  • .NET SP que é focado na linguagem .NET e tecnologias Microsoft;
  • Insight, para o pessoal de UX Design, entre muitas outras comunidades que você pode achar por lá.

Tem mais sugestões de onde submeter uma palestra de tecnologia? Então conta pra gente nos comentários! 😉

Conclusão

Espero que você use as dicas que trouxe neste artigo para começar a aplicar suas palestras de tecnologia em eventos e compartilhar conteúdos de alta qualidade com mais pessoas.

Que tal enviar aquela palestra bacana pra aquele evento, comunidade ou trilha que você já estava afim?

Bora aproveitar que o mundo de eventos de tecnologias sempre está em alta, ficar por dentro deles e aproveitar para palestrar!

Capa do artigo sobre palestras de tecnologia, com uma mulher de costas para uma chamada de vídeo no notebook.
Foto de Karoline Suzuki, uma mulher de óculos e cabelos castanhos longos.
Desenvolvedora Pleno
Graduada em Sistemas de Informações, atualmente Front-End. Organizadora no Nerdzao/Nerdgirlz, palestrante e voluntária em eventos e hackathons, incentivadora de mais mulheres no TI. Apaixonada por conhecimento, livros, família e minha gatinha!

Este site utiliza cookies para proporcionar uma experiência de navegação melhor. Consulte nossa Política de Privacidade.