História da Zup: Criando tecnologia há uma década

Neste artigo você vai ver:

Completar 10 anos impactando a transformação digital de empresas de grande porte é para poucos. Mas a Zup está aqui, criando tecnologia e trabalhando para transformar o Brasil em um polo de tecnologia global. A história da Zup é marcada por muito esforço, gente boa e tecnologia.

Quer saber mais sobre a nossa trajetória nessa última década? Então continue lendo!

Antes de avançar: o que, exatamente, a Zup faz?

Começamos ajudando grandes empresas a realizar seus projetos de transformação digital. Grandes organizações são complexas tecnicamente, com muitos sistemas legados e tecnologias antigas. Sem dúvida nenhuma, a transformação começa em como oferecer uma experiência incrível para o usuário final (consumidor/cliente). 

Mas para isso, é preciso subir a régua em termos de tecnologia e criar um ambiente ágil com desenvolvedores de alta performance que entendem as dores de negócio, e buscam desenvolver da melhor maneira possível para solucionar essa dor. 

Porém, para uma transformação digital de verdade, no médio e longo prazo, as empresas precisam evoluir sua cultura para algo mais semelhante a cultura de big techs do Silicon Valley, onde velocidade, testar hipóteses sem medo de errar e times trabalhando por propósito ajudam a criar uma dinâmica digital de verdade.

Com isso, apoiamos que essas empresas consigam agilizar processos internos, gerar novas linhas de receita e impactar mais clientes, sem negligenciar protocolos de segurança.

Outra parte do nosso propósito de criar tecnologia é lançar projetos open source no mercado. Na Zup, sempre tivemos uma cultura colaborativa e disponibilizar nossos projetos para o mundo foi um passo importante e natural. Mas não se preocupe que vamos falar mais sobre isso ao longo do texto. 😉

Como a história da Zup começou

Bruno Pierobon sempre foi um apaixonado por tecnologia. Em 2010, como head de inovação da empresa de telecomunicações Algar, ele teve uma ideia que acabou sendo o ponto de partida para o nascimento da Zup.

Ele queria concentrar toda a venda da internet em um único portal. O conceito de marketplace, onde o usuário encontraria a opção com melhor preço, pagaria sem sair do portal e com apenas um clique. E ali poderia comprar produtos dos principais sites e marcas.

Para começar, Pierobon reativou uma empresa de seu pai, um provedor de internet chamado Zoop. Porém, para dar uma modernizada no nome, “dar um ar mais up“, acabou rebatizando essa nova empresa de Zup.

Assim, em 31 de março de 2011, a Zup foi fundada em Uberlândia, Minas Gerais. 

Como já diz o ditado “Quem estará nas trincheiras ao teu lado importa mais do que a própria guerra”. Por isso, selecionar o time que daria a cara da Zup era crucial.

Pierobon começou chamando Gustavo Debs, que era um talentoso engenheiro de software na Algar. Em seguida, convidou para o time, Flavio Zago, para a área de vendas. Por fim, através de um contato comercial do Bruno entrou para a Zup como sócio-fundador, Felipe Almeida.

Os primeiros passos da Zup no mercado

Esse começo aconteceu com uma joint venture com o Buscapé no botão comprar, que era um passo adicional já que antes o consumidor só conseguia comparar preço. Porém, logo os grandes varejistas ficaram com muito receio de criar uma dependência enorme com o Buscapé e o consumidor nem ir mais para o e-commerce dos varejistas.

Rapidamente, boicotaram esse novo mecanismo e a Zup teve que dar sua primeira pivotada e ir para o mundo B2B. Usando a mesma tecnologia de integrar qualquer e-commerce em menos de dois dias sem depender da área de tecnologia, a Zup começou a oferecer isso para acelerar a integração de sistemas nos clientes e facilitar a criação de APIs para o desenvolvimento de apps e portais que começavam a ser fundamentais em 2013. 

Durante os primeiros anos da Zup a empresa funcionou 100% com capital próprio, recebendo o primeiro aporte em 2015, liderada pela Kaszek Ventures, comandada por ex-executivos do Mercado Livre. 

Mas como queria ter um board com pessoas que conheciam bem o mercado digital, acabaram entrando investidores como Martin Escobari (head de investimentos global da General Atlantic e co-fundador do Submarino), Kevin Efrusy (empreendedor e partner da Accel Ventures), Romero Rodrigues (fundador do Buscapé) e Silvio Genesini (ex CEO da Oracle, Estadão e Accenture Partner). 

Mudanças no modelo de negócio da Zup ao longo dos anos

Nos primeiros anos, o foco da Zup era construir produtos de tecnologia, nós desenvolvíamos projetos sob medida para gerar caixa e reinvestir nos times de produto. O primeiro produto que derivou da iniciativa com o Buscapé ajudou a abrir mercado e mostrar que tinha uma enorme agilidade, assim como qualidade tecnológica e de entrega.  

Conhecendo mais as dores dos clientes, construímos soluções para acelerar a transformação digital deles e tentar abstrair a complexidade dos sistemas legados. 

Centrados em produto, desenvolvemos soluções como, por exemplo:

O Real Wave é a nossa plataforma de microsserviços. Ele pode ser utilizado como acelerador do desenvolvimento dos produtos digitais de nossos clientes, substituindo tempo de codificação pela utilização de um ou vários desses microsserviços.

Já o API Manager é um componente de software responsável por centralizar, assegurar, desenvolver e monitorar suas APIs. Oferecendo uma série de funcionalidades que possibilitam ao desenvolvedor de APIs promover integrações com apenas um clique.

Enquanto isso, o Cora (Customer Operations Robot Automation) é uma plataforma que utiliza Inteligência Artificial em interfaces de aprendizado e conversação para melhorar a experiência do usuário final.

Durante muito tempo, a Zup foi conhecida por possibilitar a integração de sistemas, muitas vezes em cenários complexos, envolvendo operações internas ou que impactavam diretamente a experiência do usuário final.

Foto antiga da história da Zup, com poucos funcionários.

Next generation consulting firm

Porém, ao longo dos anos percebemos a necessidade de evoluir e mudar esse posicionamento de apenas ser uma empresa de produto, mas sim uma next generation consulting firm. Assim, mais do que apenas fazer consultoria de transformação digital, manter um time de P&D (Projeto e Desenvolvimento) altamente capacitado para criar produtos que aceleraram a transformação dos clientes. 

Um modelo único de trabalho, diferente de todas as consultorias tradicionais. Desse modo, passamos a ser uma empresa centralizada em serviços, que conseguiria atender as necessidades de seus clientes e mais do que entregar ferramentas, co-criar soluções traduzia mais nosso objetivo de criar tecnologia de ponta. 

Nesse modelo de consultoria possibilitamos a transformação digital de grandes players e o lançamento de produtos no mercado que realmente impactam a vida das pessoas. Em nosso método trabalhamos cultura, mindset e processos em conjunto com um time técnico altamente produtivo e engajado.

Quer conhecer a história da Zup pelos próprios fundadores? Então confira esse episódio especial do ZupCast:

Empresas que a Zup já impactou 

Nessa década de existência, a Zup já impulsionou  diversas empresas de grande porte, por exemplo: 

  • Buscapé
  • Natura;
  • Vivo;
  • Algar;
  • Estadão;
  • Santander;
  • Via Varejo 
  • Banco Original;
  • Claro;
  • Serasa Experian;
  • Nextel;
  • Itaú;
  • Banco do Brasil; 
  • E muito mais! 

A seguir, vamos conhecer alguns dos principais cases de sucesso da Zup:

Buscapé

Lembra quando falamos ali em cima que o Bruno Pierobon havia tido uma ideia genial? Pois agora você vai descobrir que ideia foi essa e como isso foi parar no Buscapé!

A ideia do Bruno Pierobon era desenvolver uma solução para integrar vários sites e sistemas de forma simples. No caso de um comparador de preços como o Buscapé, isso aconteceu integrando mais de mil lojas dentro do seu botão de compras. Assim, os usuários não precisavam mais ser direcionados para os e-commerces e poderiam comprar por ali mesmo!

O timing não poderia ser melhor: o Buscapé já estava tentando desenvolver um projeto similar há três anos sem sucesso. 

Um dos resultados disso foi a formação de uma joint venture da Zup com o Buscapé para comercializar essa solução para outras empresas com alto nível de complexidade de interações. Estava claro que mais do que uma ferramenta para e-commerce, nós tínhamos na mão uma solução robusta de integração de sistemas.

Caso Natura

O caso da Natura era complexo. Cerca de 900 gestores eram responsáveis por supervisionar mais de 1,4 milhões de representantes de vendas. Além da grande quantidade de trabalho manual que era necessário, ainda havia o desafio de criar um relacionamento de qualidade com esses representantes.

Em 2013, a Zup chegou para solucionar esse problema. Para isso, conectamos 20 softwares com linguagens de programação diferentes e ainda criamos uma estratégia mobile para simplificar essa ação de gestão dos consultores de vendas. Tudo isso com soluções que funcionam offline e com uma fácil usabilidade, tanto para representantes quanto para gestores. Entregamos toda a estratégia de digitalização da Natura em aproximadamente um ano, um prazo recorde frente ao desafio.

Como o Itaú entra na história da Zup

Ao longo da história da Zup várias propostas de compra ou fusão chegaram. Mas o que mudou em novembro de 2019, quando anunciamos a nossa aquisição pelo Itaú? É isso que você vai descobrir a seguir.

A Zup sempre quis estar do mesmo lado da mesa de seus clientes, sendo um parceiro de verdade e ajudando a solucionar as principais dores que as empresas têm com essa virada para o mundo digital.  

Nesse momento, o Itaú estava estudando a criação de novos produtos e de um polo de tecnologia próprio e conversando com a Zup como um possível fornecedor.

Foi aí que o Itaú percebeu que a cultura de produto e inovação da Zup era exatamente o que eles buscavam. Queriam ter uma relação mais próxima com um nativo digital que pudesse em parceria com o banco dar os próximos passos para modernizar seus sistemas e trazer uma cultura digital para o banco. Além disso, o desejo de criar tecnologia não apenas para o banco mais para o mundo. Possibilidade de nascer uma cultura forte de open source que poderia impactar não só o Itaú e o Brasil, mas várias empresas pelo mundo. 

É importante dizer que independente da aquisição pelo Itaú, a Zup continua atendendo aos seus clientes e fechando novos negócios. Possibilitando impactar ainda mais o ecossistema. 

Como a Zup impacta o ecossistema de tecnologia 

Com uma década de atuação temos muito orgulho do que construímos e como impactamos o ecossistema de tecnologia no Brasil e no mundo. 

A seguir, vamos ver como a Zup impacta o ecossistema, trazendo mais inovação e diversidade para a tecnologia.

Projetos Open Source: um give back da ZUP ao ecossistema

Um projeto open source é aquele de código aberto, onde qualquer desenvolvedor do mundo pode baixar o projeto para usá-lo ou mesmo incluir revisões e melhorias. 

Ao abrir o código de nossas aplicações, apoiamos que desenvolvedores do mundo todo tenham uma stack sólida e ainda posicionamos o Brasil como um criador de tecnologia inovadora.

Até agora lançamos quatro projetos open source, são eles:

O Charles CD é uma ferramenta open source que realiza deploys de forma ágil, contínua e segura. Ele permite que as equipes façam validações simultâneas de diferentes hipóteses com grupos específicos de usuários.

Já o Ritchie CLI é uma ferramenta open source que permite criar, armazenar e compartilhar automações de forma segura. Ele também otimiza comandos repetitivos para você ter mais autonomia programando.

O Beagle é um framework open source cross-platform pautado em Server-Driven UI que permite às equipes fazerem alterações em aplicações nativas, mobile ou web, modificando apenas o código direto no backend.

Enquanto isso, o Horusec é uma estrutura de código aberto que potencializa a identificação de vulnerabilidades em seu projeto com apenas um comando. Apoiando assim os processos de desenvolvimento seguro nos seus projetos.

Programas de formação e contratação em prol de mais diversidade na tecnologia

A área de desenvolvimento de software ainda sofre com a falta de diversidade em seus times. Mas o que nós, empresas, podemos fazer para resolver esse problema?

Na Zup ficou claro que precisávamos ser parte da solução. Por isso, desde 2019 investimos na criação de programas de formação em tecnologia com foco em recortes de diversidade. Conheça a seguir essas iniciativas:

O programa Estrelas Fora da Caixa oferece formação profissional em tecnologia para pessoas em situação de vulnerabilidade social. Ele já teve três turmas e cerca de 70% dos que começam, se formam e permanecem na Zup.

Já o programa Catalisa oferece formação profissional em tecnologia para pessoas com deficiência (PCDs). Estamos formando nossa primeira turma e logo queremos ter mais edições.

Com isso, já transformamos a vida de dezenas de pessoas que hoje são profissionais de tecnologia e muitos deles estão na Zup até hoje.

Além disso, criamos uma série de ações para aumentar a diversidade dos times dentro da Zup. Essas medidas resultaram em um aumento de 60% no número de contratações de mulheres, pessoas com deficiência (PCDs) e pessoas pretas e pardas.

Somos Transformadores: Reconhecimentos e Prêmios

Toda a inovação que a Zup proporcionou a clientes e para o ecossistema como um todo não passou em branco. Confira a seguir os principais prêmios e reconhecimentos que recebemos nessa década de existência:

2013

  • Projeto de TI mais inovador do ano pela Endeavor.

2015 

  • Nossos quatro fundadores são reconhecidos “Empreendedores Endeavor”.

2016

  • Recebe o selo Cool Vendor da Gartner.

2017

  • Prêmio de empresa mais inovadora de Minas Gerais, pelo Sebrae.

2018

  • Finalista do prêmio Talent Awards, do LinkedIn, como uma das melhores empresas brasileiras em talent acquisition.

2019

  • Finalista pelo segundo ano consecutivo do prêmio Talent Awards, do LinkedIn, como uma das melhores empresas brasileiras em talent acquisition.

2020

  • Empresa scale-up destaque em Diversidade e Inclusão em 2020 pela Endeavor. 
Dois momentos da História da Zup. Em um temos apenas os 4 fundadores em uma sala com caixas e na imagem seguinte temos os 4 fundadores em uma conferência interna e centenas de zuppers.

Que venham os próximos 10 anos!

Que jornada, não é mesmo? Nos orgulhamos muito do que construímos nesses 10 anos de história da Zup e temos certeza que a próxima década será marcada por ainda mais inovação.

E você, fez ou faz parte dessa história? Conta para a gente nos comentários a sua relação com a Zup!

Agora, se seu objetivo é  fazer parte da próxima década da história da Zup? Então confira nossas vagas abertas e venha ser zupper também!

Logo Zup 10 anos
Juliana Sampaio
Conteúdo
Jornalista especialista em Marketing Digital com anos de experiência em empresas de tecnologia. Board Advisor da Girls in Tech Brasil.

Este site utiliza cookies para proporcionar uma experiência de navegação melhor. Consulte nossa Política de Privacidade.